terça-feira, 24 de agosto de 2010

95º

“Não sinto nada mais ou menos, ou eu gosto ou não gosto. Não sei sentir em doses homeopáticas. Preciso e gosto de intensidade, mesmo que ela seja ilusória e se não for assim, prefiro que não seja. Não me apetece viver histórias medíocres, paixões não correspondidas e pessoas água com açúcar. Não sei brincar e ser café com leite. Só quero na minha vida gente que transpire adrenalina de alguma forma, que tenha coragem suficiente para me dizer o que sente antes, durante e depois ou que invente boas estórias caso não possa vivê-las. Porque eu acho sempre muitas coisas - porque tenho uma mente fértil e delirante - e porque posso estar errado - e ter que me desculpar - e detesto pedir desculpas embora o faça sem dificuldade se me provarem que eu estraguei tudo pensando o que não devia. Quero grandes histórias e estórias; quero o amor e o ódio; quero o mais, o demais ou o nada. Não me importa o que é de verdade ou o que é mentira, mas tem que me convencer, extrair o máximo do meu prazer e me fazer crer que é para sempre quando eu digo convicto que “nada é para sempre”.”

3 comentários:

Candy disse...

obrigada linda

desculpa cair assim e deixar-te mal... parece k nao tnh grande moral ne dizer-te pra te animares e agora estar eu na fossa.. desculpa

e obrigada

beijo

Filip@ disse...

Candy,
Oh nao me peças desculpa por caires então? Todos nós temos esse direito tal como temos o dever de nos levantar quando isso acontece.
Quando eu estive mal tu estiveste lá, agora é a minha vez de retribuir. Só quero que fiques bem *

Candy disse...

bigada linda. obrigada mais uma vez...